Dica de App: “Spotify”

spotify-overview

Além do aplicativo BandHook, que já foi motivo de um post neste blog, outro app que gosto muito e que me ajuda a descobrir novos artistas é o Spotify. Com uma interface bem amigável e intuitiva, o aplicativo permite criar playlistas a partir de gêneros musicais, artistas e mesmo por humor. Precisa estudar? Escute a playlist “Estudo Intenso”. Está trabalhando e quer um som ambiente que não atrapalhe sua concentração? Experimente a playlist “Workday Lounge”. As opções de playlists criadas pelo staff do Spotify é muito extensa, mas é possível criar também suas listas personalizadas. Porém, o melhor recurso do app para quem busca novas sonoridades, é a opção “Related Artists”, que permite descobrir artistas com características musicais parecidas com seus músicos favoritos. Já encontrei muita coisa legal – e até então desconhecida para mim – no Spotify e , por isso, recomendo fortemente.

Anúncios

Música da Semana: “Whiplash”, Metallica

Presente no álbum “Kill’em All“, o primeiro de banda americana Metallica e lançado em 1981, “Whiplash” é um petardo clássico do thrash metal. Crua e veloz, a faixa termina com um solo empolgante, originalmente composto por Dave Mustaine, hoje no Megadeth. Não dá pra comentar muito, o negócio é escutar e verificar porque, mesmo 35 anos depois, ela é um dos hinos do metal.

Dica de Filme: “Sentidos do Amor”

Minha mãe costuma me dizer que existem certas coisas que a gente só se lembra que existem quando elas faltam. Um clássico exemplo é a energia elétrica. Neste filme de 2011, isso é explorado através de uma pandemia que primeiramente faz que com as pessoas perdam o sentido do paladar e, depois, da audição. Assistindo ao filme dá para perceber como, na maioria das vezes, por causa da correria – ou mesmo por nossa insensibilidade – deixamos de saborear (literalmente) os pequenos prazeres diários. No filme, a pandemia é pano de fundo para o romance entre o chef de cozinha Michael (Ewan McGregor) e cientista Susan (Eva Green). Um pouco drama, um pouco romance, um pouco ficção científica, “Sentidos do Amor” é um ótimo filme, que nos ajuda a valorizar mais as coisas rotineiras.

 

Dica de Série: “Mr. Robot”

mr_robot

Lançada em 2015, a série “Mr. Robot” narra a história de Elliot Alderson (interpretado pelo excelente Rami Malek em uma das mais felizes escolhas de casting dos últimos anos), um programador de uma firma de segurança digital que usa suas habilidades para ser um “hacker justiceiro” à noite. Elliot, portador de sérios problemas de convicência social, é contatado por Mr. Robot (brilhantemente interpretado por Christian Slater), o líder de um grupo de hacker ativistas, e se vê diante de um dilema. A série me impressionou com um dos melhores episódios de abertura que já assisti e também pela intensa atuação de Malek ao longo da primeira temporada. Apesar de ser fortemente indicada para fãs de tecnologia, “Mr. Robot” também é uma boa dica para fãs de drama e suspense.

Poema da Semana: “Dubiamente”

Versão na Língua Inglesa
Dubiamente vivo
Quero ouvir tua voz
mas não quero ouvi-la mandando me embora
Quero tocar-te
mas não quero sentir tua pele fria como gelo
Quero beijar-te
mas não quero perceber que estás oca

Dubiamente vivo
Quero me abrir
mas não quero que meus sentimentos se percam ao vento
Quero amar-te
mas não quero que meu amor se sufoque em terras inóspitas
Quero completar-te
mas não quero ser completamente partido

©2007 Eduardo Magela Rodrigues

Música da Semana: “Home”, Roger Waters

Integrante do álbum “Radio K.A.O.S“, o segundo álbum solo de Roger Waters, “Home” é uma das minhas favoritas do ex-membro do Pink Floyd pelos belos vocais e pelas trilhas de percussão ao longo da faixa. O álbum merece ser escutado na íntegra e mostra, mais uma vez, a criatividade psicodélica de Waters, numa faceta um pouco menos melancólica do que o normal.

Dica de Álbum: “Save me, San Francisco”, Train

train-save-me-san-francisco-album-cover-499x499

Lançado em 2009, “Save me, San Francisco” é o quinto álbum de estúdio da banda Train. “Hey, Soul Sister“, com seu refrão viciante, é, sem dúvida, a faixa mais conhecida, mas o disco conta com outras belas canções como a dançante música título e as belas “Marry Me“, “Parachute” e “Brick by Brick“. Para quem procura uma opção de rock alternativo sem muito peso, fica a dica.

Poema da Semana: “Fúria”

Versão na Língua Inglesa

Minhas asas deterioradas jazem no chão imundo
Minhas costas sangram e minha essência celestial se esvai
Não consigo mais contemplar o céu acima de mim
Fui abandonado

Agora, estou mudado
Não mais me chame anjo

As primeiras lascas da crua escuridão rasgam minha pele
A luz que outrora envolvia me tornou-se negra
Meu olhos não mais buscam os caminhos divinos
Fui mutilado

Agora, estou mudado
Não mais reze por mim

Os ruídos do mundo real invadem minha mente
Neste instante, não sou capaz de escutar a racionalidade
A fúria primitiva me perturbou
Eu caí

Agora, estou mudado
Não mais acredite em mim

Por que eu deveria ser perfeito
Por que não posso errar?
Por que não posso ser apenas um humano?

Silêncio não é a resposta que busco

©2007 Eduardo Magela Rodrigues

Música da Semana: “Thieves”, Ministry

O Ministry é uma daquelas bandas difíceis de se classificar, sendo geralmente apontada como industrial metal. Faixa que abre o álbum “The Mind Is a Terrible Thing to Taste“, de 1989, “Thieves” discorre sobre a corrupção política (!). Energética e direta, é uma música para aqueles dias em que você procura um gás extra, seja no trabalho ou numa atividade esportiva.