Poema da Semana: “Comparações injustas”

Versão na Língua Inglesa

Tentei comparar-te ao mais doce pôr-do-sol
Não era justo
Pois tua doçura nunca se esvai

Tentei comparar-te à mais bela flor
Não era justo
Pois tua beleza não desaparece quando o inverno chega

Tentei comparar-te à mais famosa pintura
Não era justo
Pois teu sorriso não é um mero conjunto de linhas desenhadas

Tentei comparar-te à minha canção favorita
Não era justo
Pois tua presença não agrada apenas aos meus ouvidos

Não poderia comparar-te a coisa alguma
Única como és
Tudo seria uma comparação injusta

©2005 Eduardo Magela Rodrigues

Anúncios

Dica de Série: “Uma Família da Pesada”

family guy

Criado em 1999 por Seth MacFarlane, “Uma família da pesada” mostra o cotidiano da família Griffin. Repleto de humor ácido, sarcasmo e piadas que muitas vezes beiram os limites do politicamente aceitável, o seriado é um de meus favoritos, principalmente pelas inúmeras referências à cultura pop através das diversas cenas incidentais que ocorrem em cada episódio. O desenho é repleto de bons personagens, mas o meu favorito é o caçula da família, Stewie Griffin.

Poema da Semana: “Simples”

Versão na Língua Inglesa

Minhas mãos tentam escrever um nome
Desenho mal traçadas linhas
Não posso inventá-la

Não é tão simples

Minha boca procura por palavras românticas
Obtenho apenas sussurros incompreensíveis
Ecoando no mais absoluto vazio

Não é tão simples

Meus punhos tentam romper este muro de insensibilidade
Existe um segundo atrás deste
Eu mesmo os construi

Não é tão simples
E eu não sei o que fazer

Por favor, me salve

©2008 Eduardo Magela Rodrigues

Dica de Livro: “A Outra Volta do Parafuso”, Henry James

a-outra-volta-do-parafuso

Retirado de http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=85031:

A outra volta do parafuso conta a história da jovem filha de um pároco que, iniciando-se na carreira de professora, aceita mudar-se para a propriedade de Bly, em Essex, arredores de Londres. Seu patrão é tio e tutor de duas crianças, Flora e Miles, cujos pais morreram na Índia, e deseja que a narradora (que não é nomeada) seja a governanta da casa de Bly. Ao chegar a Essex, a jovem logo percebe que duas aparições, atribuídas a antigos criados já mortos, assombram a casa. O triunfo íntimo da protagonista, mais que desvendar o mistério de Bly, consiste em vencer o silêncio imposto pela diferença de condição social entre ela e seus pequenos alunos.

Narrativa envolvente e bem construída, “A outra volta do parafuso” é uma excelente opção para quem procura um livro pequeno e bem escrito.

Poema da Semana: “Amantes”

Versão na Língua Inglesa

Amantes caminham ao pôr-do-sol
Esperando pela noite que virá
Deleite nas sombras

Tocando…suavemente
Beijando…docemente
Respirando…ofegantemente
Suando…friamente
Amando…desesperadamente
Sentindo…profundamente
Sussurrando

Amantes acordam ao nascer do sol
Relembrando a noite que se foi
Doces memórias

Toque-me suavemente e me faça sentir
Beije-me docemente e alimente meu amor
Respire-me ofegantemente e me faça suar
Sussurre meu nome e me faça teu
Para sempre…

©2004 Eduardo Magela Rodrigues

Dica de Filme: “A Luz Entre Oceanos”

Do site Guia da Semana:

Dirigido por Derek Cianfrance, de ‘Namorados Para Sempre’ e ‘O Lugar Onde Tudo Termina’, o longa baseado no bestseller homônimo de M.L. Stedman retrata a vida de um homem que trabalha em um farol e vive com sua esposa na região costeira da Austrália. Eles encontram um bebê à deriva, dentro de um barco, e decidem resgatar e cuidar da criança como se fosse seu filho. Além das dificuldades enfrentadas ao perder o primeiro filho, o filme apresenta as consequências diante da “adoção” de um bebê que as ondas do mar carregam até eles. Disponível em http://www.guiadasemana.com.br/cinema/sinopse/a-luz-entre-oceanos.

Um excelente filme, com uma fotografia magnífica e uma grande atuação de Michael Fassbender, um dos melhores atores da nova geração do cinema.

Poema da Semana: “Estarei lá”

Versão na Língua Inglesa

A dor me tomou
Mas não me entregarei
De algum modo, quero permanecer só
Não preciso me machucar novamente

Não me ligue
Não quero ouvir tua voz
Repetindo as mesmas velhas mentiras
Eu tinha apenas um coração para lhe oferecer

O frio me tomou
Acho que ficarei melhor assim
Não escutarei me chamares
Tudo o que quero é ficar sozinho

Estarei lá, partido
Até que um amor verdadeiro me cure
Estarei lá, no frio
Até que uma paixão faminta me aqueça
Estarei lá, nas névoas
Até que a mão salvadora me resgate

©2004 Eduardo Magela Rodrigues