Poema da Semana: “Muito Longe”

Versão na Língua Inglesa

Sinto meu corpo desabando
enquanto meus olhos embaçados ainda buscam-te

Não olharás para trás

Escuto o bater de meu coração ecoando no vazio
enquanto minhas mãos vacilantes ainda tentam tocar-te

Estás além de meu alcance

Sinto meu espírito se diluindo nas trevas
enquanto minha voz desesperada ainda chama-te

Estás muito longe

Estou desgastado pela dor
Exaurido pela distância
Desfeito pelo sofrimento
Sufocado pelas lembranças

Estás muito longe
Reclusa num local onde minhas palavras descontroladas não conseguem entrar

Estás muito longe
Carregando os últimos estilhaços de meu amor

Ainda assim, acredito que possas me salvar de algum modo

©2006 Eduardo Magela Rodrigues

Anúncios

Música da Semana: “Borrowing the Past”, Rhian Sheehan

Integrante do álbum “Seven Tales of The North Wind“, lançado em 2011 pelo músico neozelandês Rhian Sheehan, “Borrowing the Past” é uma bela canção instrumental que utiliza diversos sons no segundo plano para remeter à ideia de infância. Sou fã deste artista pelo seu bom gosto nos arranjos e pelo comedimento na utilização de instrumentos.

 

Dica de Aplicativo: “Mozilla Thunderbird”

mozilla-thunderbird-screenshot

Utilizo o Thunderbird há dez anos e posso dizer que este aplicativo gratuito nada deixar a desejar em relação ao Microsoft Outlook, por exemplo. O Thunderbird tem uma inicialização rápida e oferece diversos recursos, dentre os quais destaco as regras de filtragem de mensagens e a possibilidade de gerenciar contas do Gmail e Hotmail, por exemplo. Como uma interface gráfica bastante limpa e de fácil aprendizagem, é uma ótima escolha para gerenciamento de e-mails.

Poema da Semana: “A Verdade Oculta”

Versão na Língua Inglesa
Não temo coisa alguma
Porque não acredito em coisa alguma
Caminho por aí
sugando a fé
destruindo as crenças
abrindo os olhos das pessoas
Sou a voz da verdade oculta

Assassinarei anjos
Não salvarei almas perdidas
Ignorarei os demônios
Abandonarei os santos
Destruirei o inferno

Não falarei por Deus
Não escreverei por Ele

©2005 Eduardo Magela Rodrigues

Dica de Animação: “Zootopia”

Retirado do site oficial (http://filmes.disney.com.br/zootopia):

Zootopia é uma cidade diferente de tudo o que você já viu. Formada por “bairros-habitat”, como a elegante Praça Sahara e a gelada Tundralândia, essa metrópole abriga uma grande diversidade de animais irreverentes sempre prontos para encarar uma nova e divertida aventura.Quando Judy Hopps (voz de Monica Iozzi) chega em Zootopia, ela descobre que ser a primeira coelha da equipe da polícia, formada por animais grandes e fortes, não é nada fácil. Determinada a provar seu valor, ela embarca em uma aventura atrapalhada e bem humorada, ao lado do malandro raposo Nick Wilde (voz de Rodrigo Lombardi) para desvendar um grande mistério.


Uma excelente animação, com os já conhecidos padrões Disney de qualidade. Divertido e bem produzido, é uma ótima opção de divertimento. A melhor parte do filme, sem dúvida, acontece no setor de emissão de carteiras de habilitação, onde todos os funcionários são bichos-preguiça.

Poema da Semana: “Fragmentos”

Versão na Língua Inglesa

Restaram apenas fragmentos nossos
Resíduos de algo outrora sólido
Folhas espalhadas de uma árvore morta
Gotas enlameadas de um lago que seca
Pétalas putrefatas de uma flor esmagada
A última linha de uma carta de amor triturada

Restaram apenas fragmentos nossos
Uma amizade decrépita oriunda de uma paixão alucinante
Um tênue senso de consideção vindo de um amor estonteante
Palavras vazias vindas de uma parceria outrora indestrutível

Restaram apenas fragmentos nossos
porque algumas coisas não podem ser reparadas
quando suas essências são terrivelmente quebradas
e o respeito mútuo é completamente ignorado

Ambos sabemos que não podemos se reconstruídos

©2005 Eduardo Magela Rodrigues

Dica de Livro: “Madame Bovary”, Gustave Flaubert

madame_bovary

Excerto retirado do site “Mundo dos Livros”:

“Madame Bovary” foi um livro que causou muito rebuliço na sociedade europeia. Sendo considerado “imoral e corruptor” para mocinhas de família. Isso sem falar que Flaubert foi processado pela Sexta Corte Correcional do Tribunal de Sena, pois tratava de um adultério. E pior, adultério feminino. Mas, como é comum da natureza humana, tal situação só serviu para alavancar as vendas do livro, tornando-o um dos principais romances do Século XIX. (continua)

Poema da Semana: “Choro”

Versão na Língua Inglesa

Não sei por que choras
Lágrimas não a trarão de volta
Apenas a afogarão

Não sei por que choras
Lágrimas não podem desfazer teus atos
Apenas transbordá-los

Não sei por que choras
Lágrimas não podem curar toda esta dor
Apenas torná-la mais forte

Não sei por que choras
Lágrimas não aliviarão teu coração
Apenas o enferrujarão

Não sei por que choras
Lágrimas não limparão tua sujeira
Apenas a transformarão em barro

©2005 Eduardo Magela Rodrigues